sábado, 26 de setembro de 2009

Cansado

Ao entrar em estado de crise existencial, geralmente expurgo todo e qualquer sentimento através da piada, do humor ou de algo que me faça ou faça os outros rirem.
Não que necessariamente faça coisas engraçadas. Por vezes elas são superestimadas, por outras o contrário. Não me considero nenhum artista, aliás estou bem longe disso e escrever num blog é nada mais que satisfazer um pouco do meu ego extraindo o que porventura possa vir a passar dentro de minha cabeça.
Tenho ideias no ônibus, na rua, no trabalho e na faculdade. Vejo coisas e penso em textos, filmes e fotografias, mas não me surpreendo porque afinal qualquer pessoa com o mínimo de referência cultural pode tergiversar e se aventurar por qualquer campo.
E a tecnologia veio ao mundo para isso. Transforma com blogs qualquer escritor num grande escritor e com as câmeras digitais qualquer fotógrafo amador num grande fotógrafo. A tecnologia talvez endossa a ideia primordial liberal que teve seu ápice na revolução francesa, ou seja, a ideia de igualdade.
Qualquer um pode ser, para isso basta querer.
Excluindo a bordão da fraternidade, que remete a outros quesitos, a liberdade e a igualdade seguem de mãos dadas e caminham até hoje nas nossas mentes como coisa dada ou coisa posta, portanto coisa positiva, logo, natural.
Como isso está dado, fica difícil questionar.
Igualdade e a liberdade não são coisas ruins, mas talvez é bom pensar vez ou outra o quão perverso pode ser um sistema que empurra na cabeças que todos são capazes, são livres para fazer e ao fazê-lo podem ser bem sucedidos e manter as coisas girando. E danem-se aqueles que não conseguem. São vagabundos ou eternos loosers. (Num sistema alternativo, todos também seriam livres para criar o que bem entendessem, a diferença é suas obras não visariam o lucro algum)

Estão ai as câmeras, os blogs e o Youtube. Ferramentas que colocam em nossas mãos o poder de fazer mesclado ao falso poder de ser. E não é a toa que eu esteja escrevendo esse texto através de uma ferramenta assim, porque sei que a cada dia 50 mil blogs são criados no mundo e que essas palavras não passam de um pequeno bilhete depositado numa garrafa perdida no oceano.
Estou na minha ilha e joguei minha garrafa, mas ela não sai do lugar pois no mar já não há mais água e sim garrafas. Dentro delas posso ver mensagens, fotos e vídeos.
E tudo isso me deprime e o que ainda mais me deprime é querer me diferenciar dessa massa caindo na velha armadilha da diferença que iguala.
A solução?
Posso não saber, mas creio que estudando, nossas cabeças se abrem para além de meros objetivos pessoais e vaidosos. Talvez estudando, ganhamos maior consciência do todo e ai sim podemos pensá-lo de modo a ajudar a construí-lo.
O que vier a mais, com o perdão da hereseia literal, é lucro, ou usura, como preferirem.




terça-feira, 22 de setembro de 2009

Suposições

Série Saco-Cheio

Episódio Sétimo:

Festa de amigos. Eles tem alguns em comum. Meio bêbados.
Ela: Você faz  o que mesmo?
Ele: Estou na faculdade. E você?
Ela: Sou psicóloga.
Ele: Legal.
Ela: Na verdade especializada em sexo. (gole da bebida dele)
Ele: Uma sexóloga? (gole da própria bebida)
Ela: Isso! (outro gole da bebida dele)
Ele: Nossa...
Ela: O quê?
Ele: Deve ser horrível transar com uma sexóloga. Não tem muito onde inovar, não é?
Ela: ...
Ele: Não é?
Ela: É... É sempre meio complicado. (gole do próprio copo)

***

Ouvindo September Song, de um filme do Woody Allen.


sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Crise Pessoal

Série Saco-cheio:

Episódio Sexto

Andando na rua.
Ela: Você anda muito estressado. A gente quase nunca se vê e quando se encontra é só patada.
Ele: É o trabalho! E quanto mais as pessoas me enchem mais eu fico estressado.
Ela: Quanta grosseria! Você precisa relaxar um pouco.
Ele: Eu sei... Eu até tentei me masturbar hoje de manhã...
Ela: Pelo visto não funcionou.
Ele: É... Não consegui...
Ela: Precisava de mais estímulo?
Ele: Não! É que eu sou muito exigente comigo mesmo...

***

Aos assíduos dois leitores do blog,

tentarei postar com mais frequência... Pelo menos alguma coisa por semana.
A qualidade pode cair, mas a audiência aumenta, tipo Zorra Total, sacam?

Abraços

PS: A série Choques vai continuar em breve... Só me falta cabeça...