terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Enquanto isso, na terra da liberade... [Primeiras Impressões]

Deixe-me falar um pouco sobre os Estados Unidos da América. Essa terra tão próxima, mas tão distante.
Essa duas semanas aqui já me fizeram quebrar alguns mitos e ratificar alguns pontos de vista que já pairavam na minha mente antes mesmo de colocar os pés em solo estadunidense. Os americanos são distantes, não suportam contanto físico com quem não conhecem direito, tratam você como anônimo até saberem quem você é. Tomo como base alguns que conheci pelos cantos, mas obviamente as exceções sempre aparecem. Quando falo que sou brasileiro, a expressão que mais ouço dos universitários é "Awesome!" (meio que um "Animal!") e fica por isso mesmo. Os professores me surpreendem com um "Great! Enjoyng the classes so far?" ("Ótimo! Gostando das aulas até agora?") e também fica por isso mesmo. O fato de eu ser um intercambista não faz muita diferença por aqui já que a Universidade é recheada de gente do mundo todo. Entre meus "colegas de intercâmbio" estão polonoses, holandeses, suecos, árabes, ingleses, espanhóis, sem contar os outros intercambistas que já estavam aqui no ano passado: franceses, irlandeses, austríacos e, vejam só, brasileiros! Não é grande coisa ser estrangeiro por aqui e estou levando isso pelo lado positivo! Fala inglês? Bom, então mãos à obra! E fora que não fico preso aos esteriótipos típicos do brasileiro sambista, jogador de futebol e fazedor de caipirinha. Maldita (ou bendita) hora em que colocaram um mexicano para dividir o quarto comigo. Já nos autointitulamos "The Latino Force" e nos demos bem logo de primeira com as piadas, não necessariamente as piadas, mas o jeito de encarar o mundo e as pessoas! Sempre rindo da nossa situação de subdesenvolvimento dando-nos permissão para rir dos europeus que, no geral, levam tudo numa boa. Vamos encarar que sair do conforto do seu país, da sua família e amigos para passar um tempo num lugar totalmente diferente requer no mínimo um pouco de mente aberta, não? E é isso que a galera tem demonstrado por enquanto, até a menina árabe que não pode estar na presença de homens sem seu véu.
O frio é intenso! Já até me acostumei! Agora o Sol raia lá fora, mas os termômetros marcam 12°C e podemos considerar isso uma tarde fresca de inverno.
Minhas aulas têm seguido bem. São quatro matérias, duas sobre História e Cinema, uma sobre Documentários (mais prática que teórica) e outra sobre as origens do modernismo. Cada professor tem seu jeito, uns mais paranoicos checando a todo momento se nós lemos os textos ou assistimos aos filmes, outros mais tranquilos, maneirando nas avaliações. Nada muito diferente da USP, com exceção de que o curso de História na USP é dividido em longas aulas uma vez por semana enquanto que por aqui as aulas são quebradas duas ou até três vezes por semana, com exceção de "História dos Filmes" ministrada somente às terças num auditório enorme. Foi nessa que, de repente, um homem de meia idade  entrou com uma mochila nas costas vestindo um capacete de ciclista e começou a falar sobre cinema do pós-guerra. Era o Prof. Jones! Que nem o Indiana!
Enfim, não vou escrever muito mais pois ainda há muito para acontecer. Só quero registrar minhas primeiras impressões por aqui e dizer que SIM, o café daqui é horrível, mas os Donuts são fabulosos e não se enganem, meus concidadãos, achando que aqui tudo é mais barato e lindo! Com certeza, os eletroeletrônicos saem bem mais em conta, mas alimentos e coisas do consumo cotidiano saem pelo mesmo preço se convertidos em reais. A mistura que geralmente pedia no Starbucks no Brasil sai pelo mesmo preço por aqui! A cervejinha, se for americana, sai por um preço mais camarada, mas nada muito diferente dependendo de onde comprada. Sucrilhos? A mesma coisa. Leite? Também...
Até os lanches do Subway são compatíveis, logo, como não vou comer iPods nem beber laptops, vou ter que ficar bem atento aos preços das comidinhas e guloseimas por aqui pois algumas vezes, essas saem até mais caro do que na terrinha natal!

No mais, fico por aqui que preciso correr pra minha aula! Pretendo postar tirinhas sobre minha vivência no De Segunda, que está meio esquecido pois ainda estou me adaptando às coisas por aqui, mas ainda assim, não esperem que eu fique grudado no computador todo o sempre. Descobri que ficar visualizando sempre as atualizações do facebook me deprime por uma série de motivos então resolvi criar o hábito de ler bestsellers sempre que passar mais de meia hora na frente da rede social. Nessa brincadeira, estou terminando "Os Homens que Não Amavam as Mulheres" que, odeio admitir, mas entretém um bocado. Sem falar que só se vive a cidade e a Universidade andando por ela, assim já achei um sebo e uma loja de quadrinhos por aqui! Pronto!

É isso!

Abraços e boa semana a todos!

Ouvindo "Cat People (putting out fire)" com David Bowie.