quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Exame médico hoje (ou) O cotidiano em 1000 caracteres com espaço

Exame médico hoje. Nado? Volto para a bicicleta? Esperava um médico e veio uma médica.
"Tenho um exame marcado para as 18h."
"O doutor já vai chegar, pode preencher o anamnese."
Não é "a" anamnese?
Preencho, mas o doutor não chega. Quem chega é a doutora.
"Pode entrar."
Perguntas típicas.
Não, não... Não.
"Sente aqui por favor... Respira fundo e solta"
Ela ouve minha respiração.
O que será que os médicos ouvem pelo estetoscópio?
"De novo..."
Respiro fundo... E solto.
No que ela pensa?
"Deite-se por favor."
Deito.
"Pode ir um pouquinho pro lado?"
Posso. Vou.
Ela mede minha pressão.
"Doze por oito."
Quebro o silêncio:
"Isso é bom, não?"
Ela ri.
"Sim."
Gelo quebrado.
"Alguém próximo de você já infartou?"
Gelo reconstituído.
"Família?"
"Sim." é claro.
"Não..."
Anota uma ou outra coisa.
"Essas duas fichas ficam comigo, essa fica com você."
Folha em branco que começa a ser preenchida.
"Letra bonita." penso, mas não digo.
Agradeço e me levanto para ir embora.
"Pode fechar a porta?"
Eu fecho.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Tem essa menina que eu sigo no Instagram (ou) O cotidiano em 1000 caracteres com espaço

Tem essa menina que eu sigo no Instagram. Dessas pessoas que você vai seguindo e não lembra mais quem começou a seguir quem. Vegetariana, quiçá vegana, sempre com fotos nos picos veegan da cidade. Tatuagens, bonita, parece alta. Tipo paquita. Paquita com tatuagens. Com tatuagens e vegana. E amante dos animais. Mora perto de mim (ou trabalha). Sempre com fotos de lugares perto de casa. Não sei o que faz da vida, mas tem muitas tatuagens, não come nada que tenha um rosto. Deve ser alta e, parece, tem um namorado. Numa foto dengosa dela o beijando numa piscina, ele comentou tentando retribuir: Eu não mereço você.
Péssimo.
Ela não é de postar muitas fotos com ele. Posta mais das tatuagens, dos lugares onde come e perto da minha casa.
Acho que dia desses, saindo do prédio, topei com ela. Ia lhe chamar pelo nome, como velhos conhecidos (não somos?) mas a prudência chamou primeiro. Não seria louco?
Volta e meia ela curte uma foto minha. Não deve tergiversar tanto quanto eu.
Deve ser o verão.